Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

RANP 48 - 2007

Salvar em PDF

 



AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

RESOLUÇÃO ANP Nº 48, DE 28.12.2007 - DOU 31.12.2007

O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS – ANP, em exercício, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP nº 166, de 31 de agosto de 2007, tendo em vista as disposições da Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, alterada pela Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, e com base na Resolução de Diretoria nº 767, de 18 de dezembro de 2007, torna público o seguinte ato:

Considerando que compete à ANP regular as atividades relativas à indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis e, na proteção dos interesses dos consumidores, quanto a preço, qualidade e oferta de produtos, estabelecer suas especificações;

Considerando a necessidade de disponibilizar combustível alternativo para as turbinas de geração de energia elétrica que utilizam gás natural na sua eventual indisponibilidade;

Considerando a programada disponibilização de unidades de geração de energia elétrica em que o gás natural poderá ser substituído pelo óleo combustível; e

Considerando a necessidade de estabelecer as especificações e métodos de ensaio do combustível para esta aplicação específica, resolve:

Art. 1º Fica estabelecida, por meio da presente Resolução, a especificação do óleo combustível em turbinas geradoras de energia elétrica – OCTE, a ser comercializado no País, consoante as disposições contidas no Regulamento Técnico ANP, parte integrante desta Resolução.

Parágrafo único. A utilização do OCTE em turbinas geradoras de energia em substituição ao Gás Natural somente poderá ocorrer mediante autorização expressa do órgão ambiental local.

Art. 2º As Refinarias, Centrais de Matérias-Primas Petroquímicas e Importadores de OCTE deverão manter, sob sua guarda e à disposição da ANP, pelo prazo mínimo de 02 (dois) meses a contar da data da comercialização do produto, uma amostra-testemunha do produto comercializado, armazenada em embalagem de cor âmbar de 1 (um) litro de capacidade, identificada, lacrada e acompanhada de Certificado da Qualidade.

Parágrafo único. O Certificado da Qualidade referente à batelada do produto comercializado deverá ter numeração seqüencial anual e ser firmado pelo químico responsável pelas análises laboratoriais efetivadas, com indicação legível de seu nome e número da inscrição no órgão de classe e deverá ser mantido sob a guarda do produtor ou importador pelo prazo de um ano.

Art. 3º A documentação fiscal referente às operações de comercialização de OCTE realizadas pelas Refinarias, Centrais de Matérias-Primas Petroquímicas e Importadores deverá indicar o número do Certificado da Qualidade correspondente ao produto e ser acompanhada de cópia legível do mesmo, atestando que o produto comercializado atende à especificação estabelecida no Regulamento Técnico integrante desta Resolução. No caso de cópia emitida eletronicamente, deverão estar indicados, na cópia, o nome e o número de inscrição no órgão de classe do químico responsável pelas análises laboratoriais efetuadas.

Art. 4º O não atendimento ao estabelecido na presente Resolução sujeita os infratores às sanções administrativas previstas na Lei nº 9.847, de 26 de outubro de 1999, alterada pela Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, sem prejuízo das penalidades de natureza civil e penal.

Art. 5º Os casos omissos poderão ser objeto de análise e deliberação da ANP.

Art. 6º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

VICTOR DE SOUZA MARTINS

REGULAMENTO TÉCNICO ANP Nº 10/2007

1. Objetivo

Este Regulamento Técnico aplica-se ao óleo combustível para turbina elétrica – OCTE, comercializado em todo o território nacional e estabelece suas especificações.

2. Normas aplicáveis

A determinação das características do produto será realizada mediante o emprego de Normas Brasileiras – NBR, da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT e de Normas da American Society for Testing and Materials – ASTM.

Os dados de precisão, repetitividade e reprodutibilidade fornecidos nos métodos relacionados a seguir devem ser usados somente como guia para aceitação das determinações em duplicata do ensaio e não devem ser considerados como tolerância aplicada aos limites especificados neste Regulamento.

A análise do produto deverá ser realizada em amostra representativa do mesmo, obtida segundo os métodos NBR 14883 – Petróleo e produtos de petróleo – Amostragem manual ou ASTM D 4057 – Practice for Manual Sampling of Petroleum and Petroleum Products.

A análise da amostra, para comprovação do atendimento à especificação do produto, deverá ser realizada de acordo com a publicação mais recente dos seguintes métodos de ensaio ou dos que venham a substituí-los:

2.1. Composição

MÉTODO

TÍTULO

ABNT NBR 14533

Produtos de Petróleo – Determinação do enxofre por espectrometria de fluorescência de Raios X (Energia Dispersiva)

ASTM D 4294

Sulfur in Petroleum Products by Energy Dispersive X-Ray Fluorescence Spectroscopy

2.2. Volatilidade

MÉTODO

TÍTULO

ABNT NBR 7148

Petróleo e Produtos de Petróleo – Determinação da massa específica, densidade relativa e API – Método do densímetro

ABNT NBR 9619

Produtos de Petróleo – Determinação da faixa de destilação

ABNT NBR 14065

Destilados de Petróleo e Óleos Viscosos – Determinação da massa específica e da densidade relativa pelo densímetro digital

ABNT NBR 14598

Produtos de Petróleo – Determinação do Ponto de Fulgor pelo Vaso Fechado Pensky Martens ASTM D 86 Distillation of Petroleum Products

ASTM D 93

Flash Point by Pensky-Martens Closed Cup Tester

ASTM D 1298

Density, Relative Density (Specific Gravity) or API Gravity of Crude Petroleum and Liquid Petroleum Products by Hydrometer Method

ASTM D 4052

Density and Relative Density of Liquids by Digital Density Meter

2.3. Fluidez

MÉTODO

TÍTULO

ABNT NBR 10441

Produtos de petróleo – Líquidos transparentes e opacos – Determinação da viscosidade cinemática e cálculo da viscosidade dinâmica

ABNT NBR 14747

Óleo Diesel – Determinação do ponto de entupimento de filtro a frio

ASTM D 445

Kinematic Viscosity of Transparent and Opaque Liquids (and the Calculation of Dynamic Viscosity)

ASTM D6371

Cold Filter Plugging Point of Diesel and Heating Fuels

2.4. Combustão

MÉTODO

TÍTULO

ABNT NBR 9842

Produtos de Petróleo – Determinação do Teor de Cinzas

ABNT NBR 14318

Produtos de Petróleo – Determinação do Resíduo de Carbono Ramsbottom

ASTM D 482

Ash from Petroleum Products

ASTM D 524

Ramsbottom Carbon Residue of Petroleum Products

ASTM D 4530

Standard test Method for Determination of Carbon Residue (Micro Method)

2.5. Contaminantes

MÉTODO

TÍTULO

ABNT NBR 14647

Produtos de Petróleo – Determinação da Água e Sedimentos em Petróleo e Óleos Combustíveis pelo Método de Centrifugação.

ASTM D 2709

Test Method for Water and Sediment in Distillate Fuels by the Centrifuge Method

ASTM D 3605

Test Method for Trace Metals in Gas Turbine Fuels by Atomic Absorption and Flame Emission Spectroscopy

ASTM D 6728

Test Method for Determination of Contaminants in Gas Turbine and Diesel Engine Fuel by Rotating Disc Electrode Emission Spectrometry.

3. Tabela

I – Especificação do Óleo Combustível para Turbinas Elétricas

CARACTERÍSTICA

UNIDADE

LIMITE

MÉTODO

ABNT/NBR

ASTM

APARÊNCIA

Aspecto

Límpido e isento de impurezas

Visual

Cor ASTM

Anotar

14483

D 1500

COMPOSIÇÃO

Enxofre Total, máx.

% massa

1,0

14533

D 4294

VOLATILIDADE

Destilação

ºC

9619

D 86

85% vol., recuperados.

282,0 a 370,0

90% vol., recuperados.

Anotar

Massa específica a 20ºC, máx.

kg/m3

896

7148

14065

D 1298

D 4052

Ponto de fulgor, mín.

ºC

38,0

14598

D 93

FLUIDEZ

Viscosidade a 40ºC

cSt (mm2/s)

1,6 a 6,0

10441

D 445

Ponto de entupimento de filtro a frio, máx.

ºC

(1)

14747

D 6371

COMBUSTÃO

Resíduo de carbono Ramsbottom no resíduo dos 10% finais da destilação, máx.

% massa

0,25

14318

-

D 524

D 4530

Cinzas, máx.

% massa

0,010

9842

D 482

CONTAMINANTES

Água e Sedimentos, máx.

% volume

0,05

14647

D 2709

Vanádio, máx.

mg/ kg

0,5

D 3605

D 6728

Cálcio, máx.

mg/ kg

2,0

D 3605

D 6728

Sódio + Potássio, máx.

mg/ kg

0,5

D 6728

Chumbo, máx.

mg/ kg

1,0

D 3605

D 6728

(1) Limites conforme Tabela II.

Tabela

II – Ponto de Entupimento de Filtro a Frio

UNIDADES DA FEDERAÇÃO

LIMITE MÁXIMO, ºC

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

SP – MG – MS

12

12

12

7

3

3

3

3

7

9

9

12

GO/DF – MT – ES – RJ

12

12

12

10

5

5

5

8

8

10

12

12

PR – SC – RS

10

10

7

7

0

0

0

0

0

7

7

10

Fim do conteúdo da página