Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Legislação Federal > Portarias > DNC > 1992 > PDNC 5 - 1992
Início do conteúdo da página

PDNC 5 - 1992

Salvar em PDF

 

PORTARIA DNC Nº 5, DE 14.2.1992 - DOU 17.2.1992

RESOLVE: Estabelecer o Regulamento Técnico DNC nº 1/92 para o cimento asfáltico de petróleo.

Revogada pelas Portarias DNC nºs 16, de 16.6.1992 e 18, de 4.8.1992 - DOU 6.8.1992.

A DIRETORA DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS-DNC, no uso das suas atribuições que lhe confere o art. 12 do Anexo I do Decreto nº 35, e 11 de fevereiro de 1991.

CONSIDERANDO a necessidade de atualização constante de métodos específicos; resolve:

Art. 1º. Estabelecer para o Cimento Asfáltico de Petróleo, o Regulamento Técnico DNC nº 01/92, que acompanha esta Portaria.

Art. 2º. O Regulamento Técnico estabelecido nesta Portaria deverá ser observado pelas empresas refinadoras de petróleo, fabricadas de asfaltos e pelas distribuidoras de Cimento Asfáltico de Petróleo que operam no País.

Art. 3º. Ficam revogadas a Resolução nº 06/86, de 02 de setembro de 1986, do extinto Conselho Nacional de Petróleo e demais disposições em contrário.

MARIA AUXILIADORA JACOBINA VIEIRA

REGULAMENTO TÉCNICO DNC Nº 01/92

A QUE SE REFERE A PORTARIA DNC Nº 05/92

1. OBJETIVO

1.1 - Este Regulamento Técnico aplica-se a cimento asfáltico de petróleo distribuído para consumo e refere-se ao produto acabado, isento de aditivos, a partir dos tanques do distribuidor, no caso de importação, ou dos tanques da refinaria, no caso de produção nacional.

1.2 - Este Regulamento Técnico prescreve as especificações do produto entregue ao comprador pelo vendedor.

2. NORMAS COMPLEMENTARES

2.1 - A determinação das características do produto far-se-à mediante o emprego de métodos brasileiros (MB) da Associação Brasileira de Normas Técnicas e do Instituto Brasileiro de Petróleo (ABNT/IBP), Normas Brasileira Registradas (NBR) do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), métodos de ensaios da American Society for Testing and Materials (ASTM), listados no item 5.

3. TIPOS

Os cimentos asfálticos de petróleo são classificados:

a) segundo a viscosidade a 60º C, em CAP-20 e CAP-55;

b) segundo a penetração, em CAP-30/45, CAP-50/60 e CAP-85/100.

4. ESPECIFICAÇÕES

Os cimentos asfálticos de petróleo serão produzidos através de processos adequados de refino e deverão atender as especificações relacionadas nas Tabelas 1 e 2.

5. MÉTODOS DE ENSAIO

A verificação das características do produto far-se-à mediante o emprego dos seguintes métodos, ou de seus equivalentes, observando-se sempre os de publicação mais recente:

MB-50 - Produto de petróleo - Determinação dos pontos de fulgor e de combustão (vaso aberto Cleveland)

MB-107 - Materiais betuminosos - Determinação do teor de betume.

MB-166 - Cimento asfálticos de petróleo. Determinação do teor de betume.

MB-167 - Materiais betuminosos - Determinação da ductilidade.

MB-425 - Material asfáltico - Efeito do calor e do ar - método de película delgada.

MB-517 - Material betuminoso - Determinação da viscosidade Saybolt - Furol a alta temperatura.

MB-827 - Material betuminoso - Determinação da viscosidade absoluta (NBR 5847).

Índice de susceptibilidade térmica ou índice Pfeiffer Van Doormaall - será calculado, em função da penetração (obtida pelo método MB-107) e do ponto de amolecimento (obtido pelo método MB-164).

ASTM D5 - Penetração of Betuminous Materials.

ASTM D92 - Flash and Fire Points by Clevelend Open Cup.

ASTMD113 - Ductility of Betuminous Materials.

ASTMD1754 - Effect of Heat and Air on Asphaltic Materials (Thin Film Oven Test).

ASTMD2042 - Solubility of Asphalt Materials in Trichloroethylene.

ASTMD2161 - Conversion of Kinematic Viscosity to Saybolt Universal Viscosity or to Saybolt Furol Viscosity.

ASTMD2170 - Kinematic Viscosity of Asphalts (Betumens).

ASTMD2171 - Viscosity of Asphalts by Vacuum Capillary Viscometer.

ESPECIFICAÇÕES PARA O CIMENTO ASFÁLTICO DE PETRÓLEO

TABELA 1 - CLASSIFICAÇÃO POR VISCOSIDADE

CARACTERÍSTICA

UNID.

VALORES

MÉTODOS

CAP-7

CAP-20

CAP-55

ABNT

ASTM

Viscosidade a 60º C

P

700±300   

2000±1000

5500±2500

MB-827

D 2171

Viscosidade Saybolt Furol

a 135º C

s

100 mín.

170 mín.

MB-517

D2170 e

D1754

a 177º C

s

15 a 60

30 a 150

40 a 150

Aquecimento a

175º C

-

não espuma

não

espuma

não

espuma

Efeito do calor e do ar

MB-425

D 1754

Variação de peso

%

1,0 máx.

1,0 máx.

1,0 máx.

MB-425

Viscosidade a 60º C

P

3000 máx.

9000 máx.

2400 máx.

MB-827

D 2171

Ductilidade a 25º C

cm

50 mín.

20 mín.

10 mín.

MB-167

D 113

Índice de susceptibilidade térmica

(-2) a (+1)

(-2) a (+1)

(-2) a (+1)

(1)

Penetração 100g, 5s, 25º C

0,1 mm

90 mín.

50 mín,

20 mín.

MB-107

D 5

Ponto de fulgor

ºC

220 mín.

235 mín.

235 mín.

MB-50

D 92

Solubilidade em tricloroetileno

% massa

99,5 mín

99,5 mín.

99,5 mín.

MB-166

D 2042

Esta tabela não se aplica aos tipos de CAP produzidos pela ASFOR ERLAM

TABELA 2 - CLASSIFICAÇÃO POR PENETRAÇÃO

CARACTERÍSTICA

UNID

VALORES

MÉTODOS

CAP

30/45

CAP 50/60

CAP 85/100

ABNT

ASTM

Penetração

100 g, 5s, 25º C

0,1 mm.

30 a 45

50 a 60

85 a 100

MB-107

D 5

Aquecimento a

175º C

-

não espuma

não espuma

não espuma

Ductilidade a 25º C

cm

60 mín.

60 mín.

100 mín.

D 113

Efeito do calor e do ar

MB-425

D 1754

Penetração

(2)

50 mín.

50 mín.

47 mín.

Variação de peso

%

1,0 mín

1,0 mín.

1,0 mín.

Índice de susceptibilidade térmica

(-2) a (+1)

(-2) a (+1)

(-2) a (+1)

(1)

Ponto de fulgor

ºC

235

235

235

MB-50

D 92

Solubilidade em tricloroetileno

% massa

99,5 mín.

99,5 mín.

99,5 mín.

MB-166

D 2042

Viscosidade Saybolt Furol a 135º C

s

110 mín.

110 mín.

85 mín.

MB-517

E 102 ou

D 2170 e

D 2161

Esta tabela se aplica exclusivamente aos tipos de CAP produzidos pela ASFOR e RLAM.

(1) Índice Pfeiffer e Van Doormaall =

(500) (log PEN) + (20) (t) - 1951

120 - (50)  (log PEN) + (t)

Onde:

(1) = ponto de amolecimento, ºC (MB-164) e PEN = penetração, 0,1 mm (MB-107)

(2) % da penetração original

TABELA

Índice de Susceptibilidade Térmica

Pfeiffer - Van-Doormaal

Penetração

25ºC, 100g

5 s (MB-107)

0,1 mm

PONTO DE AMOLECIMENTO, °C

(MB-104)

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

40

-7,8

40

50

50

60

60

70

70

80

80

90

90

100

100

110

110

120

120

130

130

140

140

150

150

160

160

170

170

180

180

190

190

200

+ 3,3

200

30

31

32

33

34

3

53

637

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

Fim do conteúdo da página