Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Legislação Federal > Resoluções > CNP > 1968 > RCNP 7 - 1968
Início do conteúdo da página

RCNP 7 - 1968

Salvar em PDF

 

RESOLUÇÃO CNP Nº 7, DE 20.8.1968 - 1431ª SESSÃO ORDINÁRIA - DOU 19.9.1968

Regulamenta o Decreto nº 61.981, de 28 de dezembro de 1967.

Revogada pela Resolução ANP nº 27, de 8.5.2014 – DOU 9.5.2014 – Efeitos a partir de 9.5.2014.

O CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO, no uso das atribuições que lhe conferem os Decretos-leis nºs 395 e 538, de 29 de abril e 7 de julho de 1938, respectivamente, e a Lei nº 2.004, de 3 de outubro de 1953; e

considerando o expresso entendimento de indústria petroquímica, nos termos do art. 1º do Decreto nº 61.981, de 28 de dezembro de 1967;

considerando que, nos termos do art. 2º do referido Decreto nº 61.981, cabe ao Conselho Nacional do Petróleo deferir "Títulos de Autorização", para a instalação no País das indústrias petroquímicas;

considerando que cabe ao Conselho Nacional do Petróleo definir as matérias-primas, seus derivados e subprodutos, que devam ficar isentos dos tributos federais, estaduais e municipais, nos termos do art. 10 do Decreto- lei nº 61, de 21 de novembro de 1961, e art. 5º do aludido Decreto nº 61.981/67;

considerando que compete ao Conselho Nacional do Petróleo superintender o abastecimento nacional das matérias-primas e dos produtos básicos da indústria petroquímica, ex-vi do art. 6º do citado Decreto nº 61.981/67;

considerando, finalmente, a necessidade de disciplinar esse abastecimento nacional das matérias-primas e dos produtos básicos da indústria petroquímica, de modo a garantir a adequada operação das empresas existentes ou que venham a funcionar no País, e também reconhecendo a necessidade de estimular as empresas públicas, sociedades de economia mista e a iniciativa privada no setor petroquímico, estabelecendo para tal fim, sempre que julgar conveniente, o preço das matérias-primas da indústria petroquímica,

RESOLVE:

Art. 1º. A instalação, a expansão e a operação de indústria petroquímica dependem de autorização do Conselho Nacional do Petróleo, nos termos desta Resolução, quando se tratar de:

a) Indústrias que se proponham à obtenção dos produtos básicos da petroquímica, a partir das matérias-primas, definidos aqueles no artigo 3º e estas no artigo 2º;

b) indústrias que se proponham à industrialização dos mencionados produtos básicos;

c) indústrias que utilizem as matérias-primas da indústria petroquímica definidas no artigo 2º, para obtenção de produtos petroquímicos não básicos.

Art. 2º. São consideradas matérias-primas da indústria petroquímica:

a) o gás natural e as frações dele recuperadas;

b) os gases residuais, as naftas, os gasóleos e os resíduos, ou outras frações similares, provenientes do processamento de petróleo de poço ou do óleo de xisto.

Art. 3º. São considerados produtos básicos da indústria petroquímica:

a) o eteno (etileno);

b) o propeno (propileno);

c) os butenos (butilenos);

d) o etino (acetileno);

e) o benzeno; .

f) o tolueno;

g) os xilenos (orto, meta e para-xileno);

h) o naftaleno;

i) o hidrogênio;

j) as misturas de hidrogênio e monóxidos de carbono (gás de síntese).

Art. 4º. A autorização de que trata o artigo 1º será concedida mediante Título, que discriminará as suas condições e os produtos e as quantidades a serem transformadas ou industrializados e os que serão obtidos.

Art. 5º. Para a habilitação ao Título de Autorização, os interessados deverão instruir o seu pedido mediante a apresentação de projeto, com os documentos e informações seguintes:

a) Prova dos atos constitutivos da sociedade e seu arquivamento na Junta Comercial ou no Registro do Comércio;

b) estudo do empreendimento, que deverá conter:

I - Local das instalações e área ocupada ou a ser ocupada;

II - Cronograma de execução;

III - Descrição do processamento industrial e das instalações, fluxograma de processamento, planta baixa das instalações e consumo estimado de água, vapor e energia elétrica.

c) quantidade, especificações e previsão de atendimento de matérias-primas utilizadas, bem como produtos a serem fabricados;

d) eIementos comprobatórios de. ter sido reduzido, pelas mesmas indústrias, ao mínimo tecnicamente inevitável a produção de derivados sob o regime de monopólio da União;

e) estudo econômico do empreendimento, destacando o investimento fixo, o cálculo de custo de produção industrial e estudo de mercado;

§ 1º. Os projetos deverão ser apresentados em 5 (cinco) vias.

§ 2º. Estas disposições se aplicam para a implantação de nova indústria e para a expansão de indústria existente.

Art. 6º. A outorga do Título de Autorização obedecerá a seguinte seqüência:

a) o projeto apresentado será objeto de decisão do referente à "Aprovação do Projeto";

b).a "Aprovação do Projeto" habilita os interessados à solicitação de estímulos governamentais, de conformidade com a legislação pertinente;

c) a partir da data da "Aprovação do Projeto” deverão ser cumpridos os seguintes requisitos:

I -Comprovação, pela empresa interessada, da existência de recursos financeiros próprios ou de financiamento, que garantem a exeqüibilidade do projeto.

II -Comprovação, em prazos semestrais, ou específicos para cada projeto, a critério deste Conselho, contados dessa data, das providências para a execução do projeto aprovado, e até o seu início de operação.

III -Outras providências, acorde decisão específicas para cada projeto, inclusive a fixação de prazos para o atendimento dos requesitos supra.

IV -Quando se tratar de projeto em que seja solicitada a concessão de estímulos, será obrigatória a apresentação do documento comprobatório da sua aprovação pelo Grupo Executivo da Indústria Química - GEIQUIM.

d) O Título de Autorização será outorgado quando o projeto for considerado irreversível pelo Conselho, em face do cronograma de execução e do vulto da aplicação financeira.

§ 1º. O não cumprimento do disposto no item “c” deste artigo importará no cancelamento da aprovação do projeto,

§ 2º. Quando considerar necessário, o Conselho fará publicar edital convidando os interessados a apresentar seus projetos dentro do prazo determinado.

§ 3º. No caso da simultaneidade entendida como sendo o período de tramitação neste órgão, de projetos da mesma linha de produtos, e de semelhante economicidade de escala e processo, será dada preferência para aprovação, como critérios gerais, aos que comprovadamente:

-Contribuam para estimular o fortalecimento do empresário nacional e a disseminação da propriedade de capital das empresas;

-impliquem na ampliação, com melhoria de produtividade, de unidades petroquímicas existentes, em vez da implantação de novas unidades, salvo quando as condições do mercado indiquem a necessidade de ampliar ou fortalecer a concorrência, através de preços competitivos;

-dispensam ou exijam em menor grau o apoio governamental por via de financiamento, investimento ou garantia;

-impliquem na maior participação de equipamentos e serviços nacionais;

-impliquem na maior participação de matérias-primas e produtos básicos nacionais.

Art. 7º. As empresas que já se dediquem às atividades petroquímicas, de que trata o artigo 1º, e possuam Título de Autorização, caso não tenham apresentado ao Conselho Nacional do Petróleo todos os documentos e informações mencionados no artigo 5º anterior, deverão complementá-los, no prazo de 90 dias.

Art. 8º. As empresas que já se dediquem às atividades petroquímicas, a que alude o artigo 1º e que não possuam Título de Autorização, deverão requerê-Io, dentro de 90 dias, instruindo a sua petição com os documentos e informações constantes do artigo 5º.

Art. 9º. O Conselho Nacional do Petróleo decidirá previamente sobre o destino dos produtos e subprodutos das operações industriais petroquímicas, sem possibilidade de consumo em indústria química e que possam ser incorporados aos derivados do petróleo, cuja produção esteja compreendida na esfera do monopólio estatal.

Art. 10. A importação, a exportação, o transporte, a distribuição e o comércio das matérias-primas definidas no artigo 2º dependem de autorização do Conselho Nacional do Petróleo.

Art. 11. Ficam sujeitos à fiscalização do Conselho Nacional do Petróleo a produção, a importação, a exportação e o comércio dos produtos básicos definidos no art. 3º.

Art. 12. O Conselho Nacional do Petróleo, com base nos projetos autorizados de instalação de indústrias petroquímicas, definirá as matérias-primas e os produtos básicos, a que se referem os artigos 2º e 3º, e seus subprodutos, bem como as respectivas quantidades que gozarão de isenção tributária federal, estadual e municipal.

(Nota)

Art. 13. Fica o Presidente do Conselho Nacional do Petróleo autorizado a tomar as providências que se fizerem necessárias para a execução da presente Resolução, especialmente no que se refere ao controle da produção e do consumo das matérias-primas e dos produtos básicos, com vistas, inclusive, à aplicação do artigo anterior.

Art. 14. Ficam revogadas as Resoluções nºs 5/65 e 11/65 do Conselho Nacional do Petróleo, de 6 de maio e 16 de dezembro de 1965, respectivamente, e demais disposições em contrário.

Art. 15. Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1968

Marechal WALDEMAR LEVY CARDOSO
Presidente
Fim do conteúdo da página