Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Legislação Federal > Resoluções > CNP > 1969 > RCNP 10 - 1969
Início do conteúdo da página

RCNP 10 - 1969

Salvar em PDF

 

RESOLUÇÃO CNP Nº 10, DE 9.9.1969 - 1483ª SESSÃO ORDINÁRIA - DOU 5.10.1970

Dispõe sobre revisão de Normas relativas ao querosene de aviação.

Revogada pela Resolução ANP nº 27, de 8.5.2014 – DOU 9.5.2014 – Efeitos a partir de 9.5.2014.

O CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO, no uso de suas atribuições,

RESOLVE:

Estabelecer, para o querosene de aviação, a NORMA CNP-08, Revisão 2, que acompanha a presente Resolução, e declará-la de observância obrigatória pelas refinarias e entidades distribuidoras, tanto para o produto importado quanto para o elaborado no País.

Rio de Janeiro, 9 de setembro de 1969.

ARAKEN DE OLIVEIRA
Presidente

NORMA CNP- 08 - Rev. 2

A QUE SE REFERE A RESOLUÇÃO Nº 10/69, NESTA DATA

NORMA CNP-08-Rev. 2 aplica-se ao querosene de aviação distribuído para consumo e refere-se ao produto acabado, a partir dos tanques do distribuidor, no caso do querosene de aviação importado, ou dos tanques das refinarias, no caso de querosene de aviação de produção nacional.

O querosene de aviação especificado na presente NORMA - Tipos QAV-1 e QAV-4 - deverá ter aspecto transparente e límpido, ser isento de água livre e matéria estranha e possuir as características expressas no quadro anexo.

Os valores especificados na presente NORMA são absolutos, não estando sujeitos a correções para tolerância dos métodos. Quando forem feitas determinações múltiplas, deverão ser usados resultados médios.

Os inibidores de oxidação permitidos no querosene de aviação são os seguintes:

2,6 - d-ter-butil 4 metilfenol

N,N' - di-sec-butil parafenilenodiamina

2,4 - dimetil 6-ter-butilfenol

2,6 - di-ter-butilfenol.

Os desativadores de metais permitidos no querosene de aviação são os seguintes:

N,N' disalicilideno - 1,2 propanodiamina

N,N' disalicilideno - 1,2 etilenodiamina

A verificação das características do produto far-se-á mediante o emprego dos seguintes métodos: Métodos Brasileiros (MB) da Associação Brasileira de Normas Técnicas e do Instituto Brasileiro de Petróleo (ABNT-IBP) os Métodos-padrão da “American Society for Testing and Materiais" (ASTM).

a) ÍNDICE DE ÁCIDO FORTE - Método para a determinação do índice de neutralização de produtos de petróleo (por fenoltaleína). Referência: MB-101, da ABNT-IBP.

b) AROMÁTICOS - Método para a determinação dos tipos de hidrocarbonetos em produtos líquidos de petróleo por adsorção e indicador fluorescente. Referência: D 1319-61 T, da ASTM.

c) COBRE - método analítico adequado.

d) CORROSIVIDADE -

d.1 - corrosividade ao cobre - Método para a determinação da corrosividade de produtos de petróleo (Método da lâmina de cobre). Referência: MB-287, da ABNT-IBP;

d.2 - corrosividade à prata - Método para determinação da corrosividade à lâmina de prata. Referência: PMB-453, da ABNT-IBP.

e) DENSIDADE - Método para a determinação da densidade relativa de produtos líquidos de petróleo, pelo densímetro. Referência: MB-104, da ABNT-IBP.

f) PONTO DE FULGOR - Método para a determinação do ponto de fulgor, pelo aparelho fechado TAG. Referência: MB-42, da ABNT-IBP.

g) PONTO DE CONGELAMENTO - Método para a determinação do ponto de congelamento de combustíveis de aviação. Referência: D 1477-57 T, da ASTM.

h) NÚMERO DE LUMINÔMETRO - Método para a determinação do número de luminômetro em combustíveis para turbina. Referência: ASTM-D 1740-67T.

i) PODER CALORÍFICO - Método para a determinação do poder calorífico de hidrocarbonetos combustíveis líquidos, pela bomba calorimétrica. Referência: D 240-57 T, da ASTM.

j) NÚMERO DE BROMO - Método para a determinação do número de bromo de destilados de petróleo, por calorimetria. Referência: D 1158-59 T, da ASTM.

l) OLEFINAS - Método para a determinação dos tipos de hidrocarbonetos em produtos líquidos de petróleo, por adsorção e indicador fluorescente. Referência: D 1319-61 T, da ASTM.

m) ENXOFRE TOTAL - Método para a determinação do enxofre em produtos de petróleo e gases liqüefeitos de petróleo (Método da Lâmpada). Referência: D 1266-59 T, da ASTM.

n) ENSAIO DOCTOR - Referência: Parágrafo IV, item C, Método D 484-52, da ASTM.

o) ENXOFRE MERCAPTÍDICO - Método para a determinação do enxofre em produtos mercaptídicos em combustível para turbinas de aviação (Método Colormétrico). Referência: D 1219-61, da ASTM.

p) VISCOSIDADE - Método para determinação da viscosidade cinemática. Referência: MB 293, da ABNT-IBP.

q) GOMA ATUAL - Método para a determinação da goma atual em combustíveis, por evaporação. Referência: D 381-61 T, da ASTM.

r) ESTABILIDADE À OXIDAÇÃO - Método para a determinação da estabilidade à oxidação dos combustíveis de aviação (Método de Resíduo Potencial). Referência: PMB -452-68, da ABNT-IBP.

s) ESTABILIDADE TÉRMICA - Método para a determinação da estabilidade térmica de combustíveis para turbina de aviação. Referência: D 1660-61 T, da ASTM.

t) TOLERÂNCIA À ÁGUA - Método para a determinação da tolerância à água dos combustíveis de aviação. Referência: PMB 369-68. da ABNT-IBP.

u) DESTILAÇÂO - Método de ensaio para a destilação de produtos de petróleo. Referência: MB-45, da ABNT-IBP.

v) PRESSÃO DE VAPOR - Método de ensaio para a determinação da pressão de vapor Reid de gasolina e produtos de petróleo similares. Referência: MB- 2, da ABNT-IBP.

x) ÍNDICE VOLATIBlLIDADE-FULIGEM - Imputado da equação:

IVF = PF + (0,42 x % volume evaporado até 204°C)

IVF = Índice Volatibilidade-Fuligem

PF = Ponto de Fuligem, em mm.

Rio de Janeiro, 9 de setembro de 1969.

ARAKEN DE OLIVEIRA
Presidente

QUEROSENE DE AVIAÇÃO

(9.9.1969)

CARACTERÍSTICAS

QAV-4

QAV-1

Mínimo

Máximo

Mínimo

Máximo

Índice de ácido do forte, mg KOH/g

Nulo

-

-

Aromáticos, % volume

-

20

-

25,0

Cobre, ppm (1)

-

0,15

-

-

Corrosividade ao cobre 2h, 100°C

-

nº 1

-

nº 1

Corrosividade à prata 16h, 45+5°C

-

nº 1

-

-

Densidade a 20°/4°C

0,760

0,822

0,746

0,798

Ponto de Fulgor, °C (2)

41

-

-

-

Ponto de congelamento

-

-50

-

-60

Nº luminômetro

45

-

45

-

Poder calorímetro inferior, kcal/kg

10200

-

10200

-

Nº de bromo, % volume

-

5,0

-

-

    Ou Olefinas, % volume

-

5,0

-

5,0

Enxofre total, % peso

-

0,2

-

-

Ensaio Doctor ou

Negativo

-

-

Enxofre Mercaptídico, % peso

-

0,001

-

0,001

Viscosidade a -17,8/C, cs

-

6,0

-

-

Goma atual, mg/100ml

-

7,0

-

7,0

Estabilidade à oxidação, 16h:

    Resíduo potencial total, mg/100ml

-

14,0

-

14,0

Estabilidade térmica:

    Queda de pressão no filtro, kgf/cm²

-

0,414

0,448

    Depósito no preaquecedor menor que

-

Padrão 3

Padrão 3

Tolerância à água:

    Mudança de volume, ml

-

1,0

-

-

    Condições de separação

-

(3)

-

-

    Condições interfaciais

-

1 b

-

1 b

Destilação:

    Ponto inicial de ebulição, °C

-

-

Anotar

    20% evaporado, /C

-

200

-

143

    50% evaporado, °C

-

-

-

188

    90% evaporado, °C

-

-

-

243

    Ponto final de ebulição, °C

-

300

Anotar

    Resíduo, % volume

-

1,5

-

1,5

    Perda, % volume

-

1,5

-

1,5

Pressão de vapor a 37,8°C, kgf/cm²

-

-

0,14

0,21

Índice de volatilidade-fuligem (4)

-

-

52

-

(1) O cobre deverá ser determinado em combustíveis que tenham sido tratados pelo processo Adoçamento pelo Cobre.

(2) Será também aceito o valor mínimo de 38ºC, determinado de acordo com o Método-padrão de referência IP 170/59 (Método de Abel), de "The Institute of Petroleum".

(3) Separação nítida, sem emulsão, precipitado ou matéria suspensa dentro ou acima das camadas.

(4) A determinação do ponto de fuligem (PF), utilizado neste índice, será feita segundo o Método ASTM-D/ 1322-59 T.

Fim do conteúdo da página